Carro usado é confiável? Vale a pena? Saiba tudo sobre comprar ou vender

Em tempos de recessão econômica e pandemia, partir para um carro usado pode ser a alternativa mais econômica e segura para fugir da aglomeração do transporte público. Porém, há todo um processo antes de você fechar negócio.

É preciso pesquisar anúncios e preços e estar atento ao estado do veículo e também à documentação. Separamos um roteiro para você vender ou comprar carros usados com tranquilidade e segurança. Confira.

Tudo sobre Carros Usados
Onde comprar ou vender carros usados?

Há muitas maneiras de negociar carros usados. Você pode ir em concessionárias de veículos, que comercializam os seminovos envolvidos nas compras dos modelos zero-quilômetro. Na revenda autorizada também é possível dar o seu automóvel já rodado como parte do pagamento na compra de um outro veículo novo – ou mesmo usado.

Além disso, existem muitas agências de veículos independentes especializadas em carros usados. Assim como as concessionárias, tais estabelecimentos também aceitam modelos seminovos na negociação. Muitas dessas lojas ainda podem vender seu usado por consignação. Você combina com o lojista o valor que quer pelo carro e ele o expõe na agência. Aí, o estabelecimento pode cobrar uma porcentagem sobre a quantia obtida na revenda ou colocar um valor a mais na hora de vender o carro.

O meio mais popular de comprar e vender carros usados, hoje, é pelos sites e aplicativos especializados. Nestes canais digitais é possível anunciar seu veículo, colocar fotos do modelo e diversas informações para valorizá-lo. Ou então pesquisar pelo automóvel seminovo que você deseja comprar. Dependendo da plataforma, é possível filtrar a busca por marca, ano, faixa de preço, tipo de carroceria e até por equipamentos.

Muitas ferramentas permitem, inclusive, ver o automóvel por chamadas de vídeo no Whatsapp. Importante frisar que os sites de vendas e compras de carros usados reúnem anúncios tanto de “particulares”, como de lojistas e concessionárias.

É confiável comprar carro usado?
Sim, mas é preciso pesquisar sempre e com calma. Primeiro, faça uma filtragem do carro que você quer e a faixa de preço que está disposto a pagar. Separados os modelos encontrados, já faça levantamento sobre a agência ou concessionária – se for o caso do anúncio – para saber se há muitas reclamações sobre o estabelecimento.

Também, de posse da placa e do Renavam, aproveite e levante um nada consta sobre o veículo. Veja se há multas pendentes e impostos atrasados. Depois, faça uma inspeção no automóvel para ver se ele está funcionando corretamente e se não há avarias aparentes ou sinais de que o carro já foi batido.

Vale a pena comprar carro usado?
Com a disparada recente dos preços, alguns modelos podem não ser tão vantajosos. Carros com até um ano de uso costumam ter preços muito próximos – às vezes, até mais caros – que os similares 0 km.

Mas automóveis com dois a três anos costumam ser as melhores opções, pois geralmente ainda estão dentro da garantia, pouco rodados e oferecem um bom custo/benefício. Nesta faixa de idade, por exemplo, é possível comprar uma versão mais completa de um modelo, e bem mais em conta que a versão de entrada 0 km do mesmo produto.

Para veículos com mais de três anos a vantagem está principalmente no preço. Geralmente, é possível adquirir um modelo maior, mais equipado ou com motor mais potente pelo valor abaixo de muito “popular” 0 km. Mas em todos os casos, é preciso pesquisar e averiguar as condições dos carros usados.

Quais as vantagens de comprar um carro usado?

As vantagens se concentram basicamente no custo/benefício. Para a mesma quantia que você dispensaria para adquirir um zero quilômetro, se tem diferentes opções de carros usados mais equipados, espaçosos, com motores mais potentes e em bom estado de conservação.

Quais as desvantagens de comprar um carro usado?

A primeira é que você já pega um veículo rodado, com tempo de uso. Outra desvantagem é você não saber com precisão como aquele carro foi usado e se foi bem cuidado, e como é o histórico de manutenções. Dependendo do ano do veículo, você também não terá mais a garantia de fábrica.

Além disso, proporcionalmente, o seguro de carros usados mais antigos é mais caro. Justamente porque, quanto maior a idade do automóvel, maior será a dificuldade e o custo de peças e manutenção.

Quais cuidados devo tomar na hora de comprar ou vender um carro usado?

Primeiro pesquisar bastante e fazer uma seleção prévia dos modelos de seu interesse. Além disso, consulte a tabela Fipe e outros anúncios de carros do mesmo modelo, ano e versão para ver se os preços estão compatíveis.

Faça aquele levantamento prévio pela placa para saber se não há multas ou impostos em atraso, além de checar se a identificação do automóvel bate com a marca e modelo anunciados.

Ao analisar presencialmente o veículo, faça-o de dia e em lugar bem iluminado. Observe se não há diferenças de cores entre as partes da carroceria, se as divisões estão bem alinhadas e se as portas fecham sem esforço demasiado.

Levante a tampa do capô e observe se as porcas e parafusos das chapas são originais e não foram alterados e se não há sinais de reparos mal feitos. Vale o mesmo para o porta-malas ao levantar o forro do assoalho do bagageiro.

Na cabine, veja se o estado do automóvel coincide com a quilometragem informada. Volante, alavanca do câmbio e pedais descascados, revestimento dos bancos frouxos, arranhões no painel e nas soleiras das portas podem indicar que aquele veículo é mais rodado do que o anunciado.

Repare também se há cheiro de mofo ou de “cachorro molhado” dentro do veículo. Levante os tapetes para ver se há restos de lama ou oxidação no assoalho e na base dos bancos. Pode ser sinal de que o carro foi afetado por uma enchente.

Não esqueça de observar o estado dos pneus, se eles estão com desgaste irregular ou carecas. Lembre-se de considerar uma eventual troca de pneus, se for o caso, na hora de barganhar um desconto no preço do carro usado.

Se possível, peça para o seu mecânico de confiança o acompanhar. Ou leve o carro até a oficina para uma inspeção e ponha-o no elevador para fazer uma checagem na parte de baixo.

Verifique se o veículo passou por todas as revisões obrigatórias na concessionária. E dê uma volta no modelo antes de fechar negócio. Veja se o motor não apresenta falhas e se há barulhos e trepidações estranhos vindo dos pedais, volante e suspensão. Lembre-se que agências e revendedoras costumam dar garantia de três meses nos carros usados.

Na hora de comprar o carro usado de pessoa física, desconfie de preços muito abaixo do mercado ou quando a pessoa pede depósito em contas com outro CPF. Quando for fechar negócio, opte por pagamento bancário identificado. Se quiser, contrate um serviço de vistoria cautelar. São profissionais especializados que levantam todo o histórico do veículo e fazem a inspeção técnica do automóvel. Se a pessoa que estiver vendendo não permitir, parta para outra.

E quando for vender, não esqueça de fazer o registro da transferência no Detran do seu estado. Desta forma, você evita que as multas do novo dono sejam pontuadas na sua carteira de habilitação.

Qual documentação preciso para vender ou comprar carro usado?

Os documentos básicos na compra e venda de carros usados são o Certificado de Registro do Veículo (CRV) e o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV). O primeiro é uma certificação da negociação do automóvel.

O CRLV, por sua vez, é o documento do carro, por assim dizer. Geralmente, quando a negociação é feita com loja ou concessionária, é o estabelecimento que cuida dessa documentação. Em caso de compra de carro usado de pessoa física há a possibilidade de contratar um despachante para cuidar da burocracia.

Em todo o caso, você sempre vai precisar dos seguintes documentos para fazer a transferência:

– RG do proprietário (original e cópia);
– CPF do proprietário (original e cópia);
– Comprovantes de pagamento do primeiro registro e do emplacamento;
– Decalque do chassi;?
– Formulário do Renavam obtido nos sites dos Detrans estaduais;
– Nota fiscal da revenda emitida pelo fabricante ou pela concessionária;
– Comprovante de residência (original e cópia).

Como calcular o preço de um carro usado?

Há duas boas referências para chegar ao valor do carro usado. Comece pela popular Tabela Fipe (Fundação de Pesquisas Econômicas Aplicadas), disponível aqui no UOL Carros. Lá é possível verificar o preço médio por marca, modelo, versão e ano.

Mas lembre-se que trata-se de um levantamento que serve como referência para preços de veículos. A Tabela Fipe não é uma realidade absoluta.
Uma maneira de balizar o preço do carro usado é fazendo uma pesquisa de outros anúncios. Vejam quanto estão pedindo pelo mesmo modelo, ano e versão do seu modelo ou do veículo que você deseja. Mas é preciso ponderar, ainda, acessórios, estado de conservação, quilometragem e pendência de documentação, que podem influenciar no valor para mais ou para menos.

Conteúdo UOL

//

Newsletter